Férias

img_9788re

Queridos amigos,

Nós, do Palpitando, como seres humanos normais que somos – ok, com uma pegada um pouco mais nerd que a média, porém ainda normais – sairemos de férias. Sol, praia, interior, cada um no seu canto, mas todos com merecidas férias.

As postagens voltarão ao seu ritmo normal dia 12 de janeiro (sim, são apenas alguns diazinhos de descanso). Convidados – como a querida da @syferrari ai embaixo – serão mais freqüentes. Mudanças visuais, algumas. Seremos finalmente um .com.br . Mas, acima de tudo, estaremos os cinco aqui, com forças renovadas, idéias fresquinhas na cabeça, palpites mil.

Obrigado em nome de todos nós por essa recepção extremamente calorosa que tivemos esses meses iniciais do projeto. Como falamos em nosso primeiro post, o parto é difícil. Mas já podemos ver esse bebê engatinhando. Até 2009!

Amanda Demétrio, André Sobreiro, Andréa Hiranaka, Caio Paganotti e Cássia Alves

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2009 – o ano do Blog (?)

Após o sucesso de Érica Chaves como colaboradora do nosso Palpitando, decidimos que seria legal mais gente dar seus palpites por aqui. Assim, aparecerão sempre umas carinhas novas. Pra começar, a convidada é leitora voraz do Palpitando e de blogs em geral. Sylvia Ferrari, a @syferrari, é autora do Gaveta de Criado Mudo, blog fofíssimo sobre, ah sobre palpites. Teria melhor estréia? Acho que não… Com vocês, Sylvinha.

Por Sylvia Ferrari

Da capa da revista Época ao Jornal da Globo, BLOG foi o assunto do momento. Fiquei me perguntando, o que “diabos” está provocando esse agendamento do tema relativamente grande na mídia?

A resposta veio semanas atrás quando TODA a blogosfera começou a twittar do Rio! Mais especificamente do Projac. O Yassuda e o Inagaki podem dar mais detalhes do que rolou lá, mas,  em poucas palavras, rolou um encontro de blogueiros com a autora Glória Pérez para conversarem sobre um novo personagem da próxima novela das 8: o Ingra, um blogueiro!

Ai tudo vez sentido. Como Relações Públicas, eu pirei na estratégia, que pode parecer Teoria da Conspiração, mas na verdade são puros conceitos de RP. Vou te explicar brevemente e didaticamente como:

Você tem uma novela para lançar e nela a autora cisma de colocar um personagem blogueiro (até porque a própria Glória tem um blog). Você olha a sua audiência e suspeita que talvez ela não sejá tão familiar com blogs, talvez você até tenha decidido passar alguma pesquisa para confirmar suas suspeitas. Logo você nota que há tempo (mais ou menos um 3 meses) para pelo menos introduzir uma noção do que é um blog para quem pouco ou nada vivência o dito-cujo. Dái surge matérias como a capa da Época e da matéria no jornal da Globo. “Xênio!!!”, você acabou avisar ao mundo que blogs existem, que valem a pena ser lido, diz por onde começar e ainda mostra quem é que produz esse conteúdo! F***ing Genial!

Tudo isso ainda vai de encontro com o investimento da emissora em mídias sociais para divulgar suas novela, como bem observaram lá no SimViral.

E o que isso tudo traz de mudança?

Eu, da minha modesta posição, digo que pelos menos haverá mais leitura de blogs. Não estou falando de aumento de leitores via feed, apenas um post passará a ganhar mais atenção de um user mais principiante (leia-se gente que usa orkut, msn, e-mail e lê um portal apenas).Aliás, eu já anunciei essa tendência de introduzir a leitura de posts quando o Yahoo!Post foi lançado. E o mais legal é ver que, como o post possibilita a resposta, esse carinha pelo menos usa esse espaço para dizer “Maneiro isso!”. (lógico que nem tudo são flores e se temos mais
comentários, precisaremos de mais moderação, Há quem diga entre os que trabalham em portais de notícias – G1, IG, Folha, etc – que permitem comentários nas matérias) Para exemplificar o que eu digo, dê uma olhada nesse post do Ecoblogs que recebeu mais de 100 comentários durante o período em que ficou em destaque na home do Yahoo . Não que eles sejam comentários bons em termos de qualidade, mas ele mostra que “mesmo não compreendendo tudo que rola online, eu consigo participar minimamente”.

Mas será que essa história de blogs na novela não vai trazer novos blogueiros?

Olha, novela de fato lança moda, se blogs vai virar uma delas vai depender da força do personagem na trama, mas se o destaque for na medida, provavelmente teremos mais gente “experimentando a coisa”.

esquema_logos

Talvez esse seja o caminho natural da evolução de quem hoje usa orkut+msn… E de alguma maneira tudo o que eu me escrevi me remeteu à aquela discussão que rolou no BlogCampSP esse ano sobre blogs miguxos

5 Comentários

Arquivado em Comunicação, Convidado

retrato em branco e preto

“… e o que é que eu posso contra o encanto
desse amor que eu nego tanto
evito tanto e que no entanto
volta sempre a enfeitiçar
com seus mesmos tristes velhos fatos
que num álbum de retratos
eu teimo em colecionar

(…)

eu trago o peito tão marcado
de lembranças do passado e você sabe a razão
vou colecionar mais um soneto
outro retrato em branco e preto
a maltratar meu coração”

se tom e chico me deram o tom, quem sou eu para negá-lo?

a vida em p&b é mais simples, mais enxuta e, quiçá, mais facilmente entendível – daí a expressão “preto no branco”. não quero tár menosprezando as cores também – elas guardam, sim, um lugarzinho especial no meu coração. mas o p&b sempre me fascinou. ele me parece mais vivo, mais expressivo. therefore, creio que o melhor resultado ao se retratar alguém surgirá em p&b.

gosto bastante de tirar fotos de pessoas. elas são imprevisíveis, e é exatamente isso que você pode esperar dos resultados (com o perdão do oxímoro).

grandes retratistas já fizeram a sua história (quem sabe um dia eu não chego lá?). gosto bastante do marcio scavone (entrem na seção de retratos e entendam a força do p&b), que fotografou bastante (será que ainda o faz?) pra última página da carta capital. sempre um perfil interessante de alguma personalidade xis.

o scavone também usa umas cores aqui e acolá, mas certas coisas são apenas perceptíveis em p&b. há algum outro jeito de retratar jô soares? ou outro modo de capturar todas as marcas de expressão da fernanda montenegro?

bom, o scavone é só um exemplo aqui da terrinha. tem o bob wolfenson, que tá no masp desde 1990, mas, infelizmente, caiu nos olhos do povo só após clicar para a playboy. o richard avedon, provavelmente, é um dos maiores retratistas ever. gosto bastante do elliott erwitt, e não só dos seus retratos. e, pelamor, entrem na parte de portraits do site dele e vejam o retrato da marilyn (é o primeiro da seqüência), que é uma das coisas mais perfeitas desse mundo (o retrato, ok?)

bom, chega de palavras. aí vai uma série de retratos de alguns amigos.

enjoy!

2 Comentários

Arquivado em Fotografia

Hoje matam por nada

Por Cássia Alves

Primeiramente, desculpem a falta de posts da minha parte nas últimas semanas. Combinações maldosas no final do ano acabam nos impedindo de fazer o que a gente gosta… Mas enfim. Volto aos meus textos para escrever sobre algo que tem me feito pensar muito nos últimos tempos. (nada positivo, mas vamos lá)

Ao longo do último mês, foram anunciadas diversas mortes bizarras: um rapaz foi morto dentro das Casas Bahia pelo vigilante por estar mal vestido. Uma mulher e o filho são atirados pela janela pelo marido (ou impelidos por ele a pular), um policial que confunde o carro de bandidos com o de uma família e mata um garoto de três anos e é absolvido. Isso tudo é resultado da tal selva de pedra e vida “civilizada” que dizemos viver nas grandes metrópoles? Ou então de uma ênfase que os jornalistas dão à cobertura policial (reflexo daqueles programas ícone do final da tarde repletos de sangue)?

Será que é tão bom assim toda a civilização que dizemos usufruir das capitais? Eu sou do tipo que diz que não conseguiria morar em outra cidade que não São Paulo, mas lembro muito bem quando vi o pequeno supermercado ao lado da casa dos meus pais na Zona Sul daqui de São Paulo ser assaltado e eu estar presente, ou diversas bolsas arrancadas de suas donas na esquina da Paulista com a Augusta e o dia em que um homem me levou cinco reais quando eu ia pro cursinho (e não levou mais porque num ato de desespero eu escondi meu celular, mesmo correndo risco).

Tem sido complicado abrir os jornais todo dia e torcer para que a única vez que a palavra mosrte seja citada é no quadro “Mortes”, em que os parentes anunciam as mortes de seus entes queridos (o que eu também acho de um mau gosto extremo). Eu não lido bem com a morte e nunca lidarei (mas também sei que não vou viver pra sempre =p). Por isso mesmo, acho que o jornalismo poderia muito bem rever estes conceitos de noticiar as mortes das pessoas assim, como se a vida não valesse nada, pois assim me parece que reforça ainda mais essa história da vida parecer não ter valor algum (motivo pichado na fachada da tal loja das Casas Bahia em que o rapaz foi assassinado).

E o mundo poderia ser um pouquinho mais humano e as pessoas pensarem no valor que a vida tem pra elas antes de cometer qualquer ato contra outro. Afinal de contas, contrariando um dito que descobri ter ficado popular, somos nós quem matamos ou decidimos sobre a vida de alguém assim que partimos para o ato violento, não Deus ou qualquer entidade religiosa a qual alguém possa estar submetidos. Precisamos parar também de sempre nos submeter a forças divinas/religiosas/superiores e isentar nossa culpa. Aqui se faz, aqui se paga. Mas isto é uma briga minha com as crenças e talvez assunto para um próximo post. =)

2 Comentários

Arquivado em Crônica

Os melhores de 2008

Chegam as festas e com elas as intermináveis listas de melhores do ano. Clichê, mas que todo mundo adora. Cá estou pra fazer minha lista de melhores álbuns do ano. Na verdade, vou me aproveitar da pesquisa que o The Hype Machine está fazendo com os blogueiros de música e posto o meu ranking aqui também.

Quais os meus critérios de escolha? Nem artista revelação, nem inovação, nem produção, meu critério foi totalmente pessoal. A única coisa que posso afirmar é que meu gosto anda bem dançante. Eis meus 10 melhores álbuns do ano:

figura1

Minha lista postada lá no Hypem.

Por quê?

  1. Cut Copy – New 80’s. Dá uma energia só de ouvir (imagina ao vivo que delícia deve ser). ‘Feel The Love’, ‘Lights And Music’, ‘Hearts On Fire’, difícil escolher o tune favorito.
  2. Calvin Harris – Se o critério de escolha fosse freqüêcia de execuções no ITunes, talvez ele fosse o primeiro. Um dos caras que mais esperava ver no ano e acabou furando no Planeta Terra, mas tudo bem, ainda tem um espacinho no meu <3.
  3. Ladyhawke – Lançado só no final do ano, mas ganhou um posto lá em cima. Voz linda da. Boas músicas in natura e remixes ótimos rolando por aí.
  4. Girl Talk – Tá lá em cima na minha lista de artistas mais ouvidos no Last.fm. Simplesmente retardado e genial.
  5. MGMT – Talvez a banda hype do ano e Kids tem tudo pra ser a música do ano. Show gostosíssimo no Tim Festival.
  6. The Ting Tings – Ouço o cd de cabo a rabo, de frente, de lado, de costas. A voz da XX e dançante na medida certa.
  7. Kaiser Chiefs – Apesar de músicas muito boas no primeiro álbum, nunca achei que ia sair algo de bom depois de Ruby, Ruby, Ruby, Ruby. Eles me ganharam muito no Planeta Terra. Never Miss a Beat é a minha música desse álbum.
  8. Santogold – Na verdade, M.I.A. foi o bem mais ouvida que Santogold, mas ela tb é fantastiqué. AMO a voz dessa mulher.
  9. N.E.R.D. – All the girls standing in the line for the bathroom. O mais mainstream da lista toda. Sou mega suspeita pra falar de Pharrell, desde a época do Neptunes.

Depois pensando bem, mudaria algumas coisas. Uns álbuns subiriram, outros cairiam, e outros entrariam no ranking, como do Crystal Castles que mancadamente deixei pra trás.

Sei que tem gente que vai discordar de mim, sempre (SEMPRE!) tem. Ótimo! Tô pronta pra ouvir os argumentos e novas indicações!

Comentem aí!

4 Comentários

Arquivado em Música

CORRÃO!

Todo adolescente já teve algum filme catástrofe entre seus preferidos. O meu, vou confessar é Independence Day. Adorava ver a chegada daquela nave gigantesca, encobrindo o céu e a população se apavorando. A chegada de O dia em que a Terra Parou, com Keanu Reeves reacende essa febre juvenil. Pensando nisso, segue uma breve lista dessa categoria. Para facilitar, estarão divididinhos em dois grupos: A Invasão espacial e As Forças da Natureza.

A Invasão Espacial: pensa em qualquer coisa que está longe de nós? ETs, Marte, Asteróides, qualquer coisa. Pode ter certeza que nesses filmes eles virão direto pra cá! Pra ser mais exato, pros Estados Unidos. Mais exato ainda, ou Washington ou NY. Explosões de prédios emblemáticos como Pentágono, Casa Branca e, sempre, a Estátua da Liberdade – que não é prédio, mas sofre por que ETs e asteróides são espertos!

Impacto Profundo – dois cometas vêem para a Terra. Alguns eleitos são enviados para um bunker, para recriar a humanidade. Com Elijah Wood, Robert Duvall e Vanessa Redgrave.

Armageddon – a encarnação do sofrimento nesses filmes! Liv Tyler vê o pai (Bruce Willis) e o namorado (Ben Affleck), ambos astronautas,  numa missão destruir um asteróide. A cena da tela provoca o choro em qualquer um que assista.

Independence Day – De ETs. E quase não vemos ETs! Vemos Will Smith salvando o mundo. De longe o enredo mais sem graça dessa lista, mas acenas fodásticas compensam tudo!

As Forças da Natureza: ninguém veio de fora! Está tudo aqui o tempo todo. O aquecimento global, a caça às baleias, seja lá por que, o mundo vai acabar. Salve-se quem puder!

Volcano – o culpado é um vulcão. Em Los Angeles! Tommy Lee Jones (aquele do MIB) tenta salvar a população da lava junto com Anne Heche.

Twitter, ops Twister – Dessa vez a mãe natureza mandou o vento. Ou melhor, furacões. Bill Paxton e Helen Hunt são um ex-casal que estuda o fenômeno. Nenhum grande prédio é destruído, apenas casinhas interioranas mas ver a coitada da vaquinha voando vale o filme.

Terremoto – quem disse que filme catástrofe é coisa nova? Ok, os efeitos não são os melhores do mundo mas no longínquo 1974, um terremoto atingiu a cidade de Los Angeles. No elenco, Charlton Heston e a ex-diva Ava Gardner, já em fim de carreira.

3 Comentários

Arquivado em Cinema

Coisas de bixinha

Mais um post tardio. Mais um dia sem inspiração. Ah, o final do semestre e o final das coisas.  Vou fazer então um levantamento de declarações de amor “online” (algumas nem tão internéticas assim) – é, coisa de viadinho mesmo. Apesar do turbo de emoções, coisas boas têm acontecido e, com medo de parecer ridícula, vamos às maneiras/jeitos e etc:

  • Há quem coloque o famoso “power point” na lista, mas NÃO SE ILUDA. Os power points são mal vistos por 10 entre 10 pessoas que recebem e-mails importantes em suas listas. Aquilo enche a caixa e, quando abre, faz desaparecer tudo o que você estava fazendo.
  • E-mails. Oh, eles são fofos. Apenas esqueça gifs, afins e coisinhas brilhantes – mesmo que você seja uma pessoa cor-de-rosa. Mas os textos estão ai em primeiro lugar na lista.
  • Músicas. Veja aqui o que NÃO fazer. Links patrocinados no meio? Não! Publicar em um site como o Declaração de Amor. Menos ainda!
  • Cartas. Escreva a sua própria que é legal, mas divirta-se neste site com algumas pré-moldadas.
  • Da série “teen”: cartas gigantes, cadernos todos escritos e agendas totalmente preenchidas. Usar com moderação. Talvez um pouco de paciência? hahaha
  • Da série “sexual”: álbum erótico, vazar sex tape… Olha, depende da menina, mas, na maioria dos casos, a melhor resposta é NOOOOOT… hahahaha
  • Papéis de parede. Evite sites como este, siga a linha personalizada…

Não sei, me falta inspiração, me sobra pensamentos sobre o assunto. Peço desculpas pela ausência da Amanda surtada. Uma menina com sono está no lugar. Vamos aos links que eu acho que será o melhor desta semana..

#TáUsando:

3 Comentários

Arquivado em Internet